.

RESENHA: MOBY DICK

15 de outubro de 2021


Moby Dick
Autor(a):  Herman Melville
Editora: Nova Fronteira

Páginas: 640
Ano de publicação: 2021
Compre através deste link.

Muitos livros em um, Moby Dick é considerado uma das obras mais importantes da literatura. Publicado em 1851, recebeu duras críticas da imprensa especializada, sendo "redescoberto" apenas no início do século XX, por meio das análises de escritores consagrados da época, como D. H Lawrence e W. H Auden. O clássico de Herman Melville é narrado por Ishmael, tripulante do baleeiro comandado pelo capitão Ahab, que, em sua última viagem, deseja capturar a grande baleia branca que no passado arrancou uma de suas pernas. A beleza e a complexidade de Moby Dick residem na forma como Melville consegue explorar com maestria os mais diversos gêneros literários, construindo ao mesmo tempo diálogos shakespearianos, descrições científicas precisas e reflexões filosóficas sobre o bem e o mal.

 



Fala galera do Porão Literário, tudo certo? Hoje minha resenha é do livro Moby Dick, lançado pela Editora Nova Fronteira. O livro é de autoria de Herman Melville. A resenha foi escrita por Leonardo Santos. 




o peso que é escrever a resenha desse livro... bom, é gigante. Moby Dick sem dúvidas é um dos clássicos mais enigmáticos e aclamados da literatura universal. Por quê? Bem, todos nós já ouvimos falar da premissa inicial, certo?

O capitão Ahab precisa se vingar. Após ter sua perna arrancada brutalmente pela Baleia Branca em um de seus ataques, o homem se cega diante de tamanha ira e seu sentimento de vingança o alimenta dia e noite, conforme sua embarcação parte em busca da mesma baleia que travou sua épica batalha nos mares. 

Somos introduzidos então a uma narrativa em primeira pessoa, onde o narrador-personagem vai nos guiar no navio baleeiro Pequod em sua jornada pessoal. Jornada essa que não compactua com a dos outros membros das expedições. Durante o século XVIII, essas expedições de caça às baleias eram frequentes, isso por conta do enorme lucro que elas traziam àqueles que conseguissem matar uma baleia. 

Seus ossos eram retirados, sua carne erta aproveitada e seu óleo também em um valor exorbitante, por isso esses navios eram muito comuns naquela época. Ahab, no entanto, utiliza de seu poder de persuasão e sua história para convencer os outros marujos a caçar aquela baleia em específica que lhe arrancou a perna. 

mas então... Definir Moby Dick em um gênero literário é uma tarefa quase impossível, isso porque temos capítulos onde o autor destrincha de um lado técnico para mostrar aos leitores como a caça a baleias era feita, como se utilizava das partes dela no dia-a-dia, quais as variedades de baleias que os marujos encontravam no alto mar... Assim por diante. 

Temos também diversas referências bíblicas, onde a Moby Dick é colocada quase como uma figura divina e mitológica, um ser primordial e que é quase impossível de ser encontrado e abatido. No entre texto vai ser possível analisar diversas referências bíblicas que não foram notadas por mim, inclusive existem vários artigos científicos e textos teóricos a respeito desses detalhes! 

Existem também uma série de referências a estilística greco-romana no que se diz a respeito da Comédia e da Tragédia, principalmente nos capítulos onde os marujos são introduzidos (que acabam lembrando o texto de uma peça de teatro). 

Épico em todos os sentidos... Talvez seja por isso que eu demorei para fazer a leitura de Moby Dick. Em alguns momentos o autor consegue criar uma narrativa fluída e até mesmo divertida, já em outros o conteúdo pesa um pouco e seu ritmo pode ser alterações, mas durante todo o processo é impossível não ficar maravilhado com a forma como esse mundo é construído e apresentado para nós, tanto é que muitas das vezes eu pensei estar lendo relatos verídicos feitos por marujos daquela época.

Leia no seu tempo, e principalmente quando estiver preparado - esse é meu conselho. Mas leia. 

Com relação ao final, eu infelizmente já sabia, mas em nada diminuiu o impacto que eu senti ao finalizar a leitura. Feliz? Triste? Real? Fiquei com esses questionamentos na cabeça, mas a única coisa que tive certeza foi de que ele é apropriado pro livro, que inclusive o autor dá várias dicas do desfecho no decorrer da história. 

Um comentário:

  1. Olá! De volta ao seu blog que gosto muito de visitar. Confesso: tentei ler este livro umas quatro vezes, mas, enfim, compreendi que não é leitura pra mim até ler sua postagem e tentar da mais uma chance, hehe... Só espero passar bem rápido pelas descrições de baleias porque essa parte... ufa! Hehe... mas vou dar outra chance sim. Boas leituras!

    ResponderExcluir



Olá leitores e leitoras! Meu nome é Leonardo Santos, tenho 24 anos, sou de São Paulo mas atualmente estou em Minas Gerais cursando Letras! Minha paixão pela leitura começou desde muito cedo, e é um prazer compartilhar minhas leituras e experiência com vocês!

.

Caixa de Busca

Conheça a equipe do Porão!

SIGA O PORÃO LITERÁRIO!

POST DO DIA

RESENHA: CIRCE

PROJETO "LENDO CLÁSSICOS"

SIGA NO INSTAGRAM

Categorias

ÚLTIMAS LISTAS LITERÁRIAS

Facebook

Arquivos

Leitura coletiva PJO

LITERATURA E MÚSICA

Tecnologia do Blogger.

HQ'S e Graphic Novels