10 de julho de 2023

RESENHA: QUE VENÇA O MELHOR

 


Organizadores:  Z. R. Ellor 
Editora: Plataforma 21
Páginas: 432
Ano de publicação: 2023
Compre através deste link.

Jeremy Harkiss, capitão de torcida e presidente do grêmio estudantil, não permitirá que se assumir como um garoto trans arruíne seu último ano na escola. Então, em vez de se esconder, curvando-se aos transfóbicos de plantão e à gestão conservadora do lugar, Jeremy resolve fazer barulho – e, para ele, não há melhor forma de chamar a atenção de todos do que desafiar seu popular ex-namorado, Lukas, pelo título de Rei do Homecoming, o evento anual mais importante do colégio. Lukas Rivers, estrela do futebol americano na escola e líder do comitê do Homecoming, está apenas tentando sobreviver ao caos de sua vida após perder o irmão mais velho, além de ter que superar o término do namoro de longa data. Porém, quando Jeremy ameaça não só partir novamente o coração dele, mas também roubar sua coroa no esperado evento, Lukas inicia um plano para sabotar a campanha de Jeremy. Os dois garotos começam a levar sua rivalidade longe demais, e muita coisa entra em jogo. É quando, finalmente, eles terão que encarar as cicatrizes que ambos estão escondendo... bem como as borboletas no estômago que insistem em aparecer e eles já não conseguem controlar.



Fala galera do Porão Literário, tudo certo? Hoje minha resenha é do livro Que vença o melhor lançado pela editora Plataforma 21. O livro é de autoria de Z. R. Ellor e a resenha foi escrita por Caroline Gomes. 



Nessa história nós conhecemos Jeremy Harkiss, um jovem capitão de torcida e presidente do grêmio estudantil. Determinado a não permitir que sua identidade como garoto trans arruíne seu último ano na escola, Jeremy decide enfrentar de frente a transfobia presente em seu ambiente escolar conservador. Em vez de se esconder, ele escolhe fazer barulho e chamar a atenção de todos ao desafiar seu popular ex-namorado, Lukas, pelo cobiçado título de Rei do Homecoming, o evento mais importante do colégio.

Enquanto Jeremy luta pela sua representatividade e pelo direito de ser quem é, Lukas Rivers, um astro do futebol americano e líder do comitê do Homecoming, está passando por um momento turbulento em sua vida. Após a trágica perda de seu irmão mais velho e o término de seu relacionamento de longa data, Lukas precisa enfrentar um desmoronamento emocional em sua família. Com Jeremy ameaçando partir novamente seu coração e roubar a coroa no evento tão esperado, Lukas inicia um plano para sabotar a campanha do ex-namorado.


A rivalidade entre eles vai além dos limites, colocando em jogo não apenas suas reputações, mas também questões mais profundas. Enquanto lutam por suas próprias jornadas de autodescoberta e aceitação, Jeremy e Lukas precisam encarar não apenas as adversidades externas, mas também suas próprias inseguranças e medos.

"Que vença o melhor" é um livro que me deixou dividida. Por um lado, a premissa é interessante, explorando a jornada de dois ex-namorados em sua busca por reconhecimento e superação. A autora aborda temas importantes, como identidade de gênero, luto e relacionamentos familiares complexos. No entanto, senti que o livro deixou a desejar em alguns aspectos.

Em relação aos personagens, tive dificuldade em me conectar com eles. Jeremy, o protagonista, inicialmente se mostrou um tanto chato e demorou para despertar minha simpatia. Sua jornada como garoto trans poderia ter sido mais explorada e desenvolvida de maneira mais envolvente. Por outro lado, Lukas, mesmo enfrentando situações difíceis, não conseguiu despertar em mim uma empatia profunda. Seus problemas familiares e sua condição de autismo foram mencionados, mas não tiveram a relevância que eu esperava na trama.


Além disso, senti que faltou um maior aprofundamento em certos aspectos da história. Por exemplo, a relação de Lukas com seus pais, marcada pela sensação de invisibilidade, poderia ter sido explorada de forma mais significativa. Também senti que a trama poderia ter se expandido para além do ambiente escolar e da competição do homecoming, permitindo uma maior diversidade de cenários e enredos secundários.

No que diz respeito à escrita, ela é fluente e de fácil acompanhamento, mas não conseguiu me prender totalmente. Em alguns momentos, a história se arrastou e senti que poderia ter sido mais enxuta. Algumas cenas e personagens secundários, como Sol, foram introduzidos, mas não tiveram um desenvolvimento satisfatório, deixando um potencial não aproveitado.


Apesar dessas críticas, "Que vença o melhor" tem sua proposta interessante e aborda temas relevantes. Há momentos de reflexão e algumas citações que transmitem mensagens importantes sobre dor e autodescoberta. É um livro que pode valer a pena para aqueles que estão em busca de uma história sobre recomeços e superação, mesmo que não alcance todo o seu potencial.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Leonardo Santos



Olá leitories! Meu nome é Leonardo Santos, tenho 28 anos, sou de São Paulo mas atualmente estou em Guarulhos cursando Letras! Minha paixão pela leitura começou desde muito cedo, e é um prazer compartilhar minhas leituras e experiência com vocês!

Equipe do Porão

.

Caixa de Busca

Instagram

Destaque

TRÊS MOTIVOS PARA LER "EM BUSCA DO REINO"

Olá pessoal do Porão Literário! Hoje vou compartilhar com vocês três motivos para ler Em busca do reino, de Reyves L.B. 

Arquivos

LITERATURA E MÚSICA

LITERATURA E MÚSICA

Posts Populares

ÚLTIMAS LISTAS LITERÁRIAS

Receba as novidades

Tecnologia do Blogger.

SIGA O PORÃO LITERÁRIO!

SIGA O PORÃO LITERÁRIO!