.

RESENHA: CORES PROIBIDAS

1 de agosto de 2022

 


CORES PROIBIDAS 
Autor(a):  Yukio Mishima
Editora: Companhia das Letras 

Páginas: 633
Ano de publicação: 2020
Compre através deste link.

Depois de três casamentos fracassados, a paixão que move Shunsuke é sua profunda misoginia. Seu único prazer é contemplar o sofrimento das mulheres. Quando encontra Yuchi, um jovem homossexual de beleza rara, Shunsuke vê no rapaz o instrumento para sua vingança contra as mulheres, o meio perfeito para lhes causar infinito sofrimento. Cores proibidas, publicado pela primeira vez em 1953, é um dos primeiros romances de Yukio Mishima. A narrativa compõe uma trama de alto teor erótico sobre a repressão do desejo e a proximidade entre pulsão sexual e dissolução de velhas convicções morais na sociedade devastada do Japão pós-Segunda Guerra. No romance, Shunsuke é um velho escritor que, depois de três casamentos fracassados e uma existência dedicada aos exercícios espirituais, encontra na homossexualidade uma nova aspiração existencial. Shunsuke conhece Yuichi, um jovem de beleza frágil e estonteante que se torna seu amante e uma espécie de fantoche para seus planos de vingança contra as mulheres. O enredo encadeia revelação atrás de revelação, provocando no leitor um misto de curiosidade e atordoamento, já que os personagens assumem atitudes contraditórias e comportamentos escorregadios.

Fala galera do Porão Literário, tudo certo? Hoje minha resenha é do livro  Cores proibidas lançado pela editora Companhia das Letras. O livro é de autoria de Yukio Mishima e a resenha foi escrita por Leonardo Santos. 

Inaugurando o especial de livros de Yukio Mishima, um dos autores mais prestigiados da literatura  japonesa, conversaremos então sobre o livro "Cores proibidas", considerado por muitos a obra de maior prestigio do autor. De antemão já digo que esse livro traz uma série de gatilhos para leitoras e leitores sensíveis. 

Acompanhamos então os relatos de Shunsuke, um escritor que beira aos seus sessenta anos e, através das páginas desse livro, narra sua história dando foco aos três casamentos pelos quais passou - e foram levados ao fracasso; e como eles - eu sua perspectiva - o levou a uma condição de aversão as mulheres. Shunsuke propõe, então, construir sua narrativa para vingar-se das mulheres, por três delas terem sido tão 'cruéis' com ele. 

Além disso, Shunsuke conhece a enigmática figura de Yuichi em um bar gay da Tóquio pós segunda guerra conhecido como Rudon. Detentor de uma beleza que choca quem a observa, Yuichi atrai a atenção de Shinsuke imediatamente; todavia, Yuichi está prestes a se casar com Yasuko, mas isso não o impede de entrar em uma trama sexual extremamente complexa e bem orquestrada por Shunsuke, que guarda em suas movimentações uma motivação cruel. 

Durante minha leitura de "Cores proibidas" - que acredite, durou meses, em muito eu pude associar esses personagens e enredos com uma espécie de Dorian Gray mais ácido e "depravado". Meu primeiro contato com a escrita de Yukio Mishima já foi extremamente impactante e dolorosa, e o por quê? Então, vamos lá. 

Shunsuke, pra começo de conversa, é um personagem que sofreu muitas crueldades e exala um comportamento sádico como forma de expressar tudo aquilo que sofreu na vida. Pouco saudável? Com certeza, em sua espécie de carta de misoginia, é terrível ver as formas como ele usa Yuichi (que não é exatamente inocente) e Yasuko para atingir seus objetivos. 

Digo que esse livro me lembrou muito Dorian Gray pois aqui temos um ser humano detentor de enorme beleza que atraí a atenção de um homem mais velho, uma espécie de tutor; além disso, em "Cores proibidas" o narrador fala a respeito do papel da arte e do belo diversas vezes durante a obra. 

Esse fator, inclusive, deixa a narrativa bem cansativa em alguns momentos, pois parece que a história está se repetindo ou enrolando para então dar evolução a história em si - e assim completar suas 570 páginas. Como eu gosto desse debate, isso não prejudicou em muito a minha leitura, mas a retardou. (Demorei uns três meses pra ler esse livro). 

A violência física e psicológica são elementos trabalhados nesse livro, é cruel demais. Obviamente existe um contexto para ler esse livro, mas da mesma forma ainda é doloroso ver digressões tão cruéis de um personagem tão marcado quando é o protagonista desse livro. 

Pelo o que eu pude pesquisar a respeito da obra do autor, ele possui outros livros com uma temática menos agressiva, e são esses títulos dos quais eu estou interessado em ler no momento, por isso em breve devo trazer outra resenha de Yukio Mishima pra cá! 

Nenhum comentário:

Postar um comentário



Olá leitores e leitoras! Meu nome é Leonardo Santos, tenho 24 anos, sou de São Paulo mas atualmente estou em Minas Gerais cursando Letras! Minha paixão pela leitura começou desde muito cedo, e é um prazer compartilhar minhas leituras e experiência com vocês!

.

Caixa de Busca

Conheça a equipe do Porão!

SIGA O PORÃO LITERÁRIO!

POST DO DIA

RESENHA: O SANTO DAS SOMBRAS

SIGA NO INSTAGRAM

PORÃO NO YOUTUBE!







Categorias

ÚLTIMAS LISTAS LITERÁRIAS

Facebook

Arquivos

Leitura coletiva PJO

LITERATURA E MÚSICA

Tecnologia do Blogger.

HQ'S e Graphic Novels